Osho

Primeiro fique sozinho.

Primeiro comece a se divertir sozinho.

Primeiro amar a si mesmo.

Primeiro ser tão autenticamente feliz, que se ninguém vem, não importa; você está cheio, transbordando.

Se ninguém bate à sua porta, está tudo bem –

Você não está em falta.

Você não está esperando por alguém para vir e bater à porta.

Você está em casa.

Se alguém vier, bom, belo.

Se ninguém vier, também é bom e belo

Em seguida, você pode passar para um relacionamento.

Agora você se move como um mestre, não como um mendigo.

Agora você se move como um imperador, não como um mendigo.

E a pessoa que viveu em sua solidão será sempre atraídos para outra pessoa que também está vivendo sua solidão lindamente, porque o mesmo atrai o mesmo.

Quando dois mestres se encontram – mestres do seu ser, de sua solidão -felicidade não é apenas acrescentada: é multiplicada.

Torna-se uma tremendo fenômeno de celebração.

E eles não exploram um ao outro,, eles compartilham.

Eles não utilizam o outro.

Em vez disso, pelo contrário,

ambos tornam-se UM e

desfrutam da existência que os

rodeia.

Osho

Anúncios

Algum Empata / P.A.S. / Esponja se identifica? – Katia Di Giaimo

O Dr. Sérgio Felipe de Oliveira é médico neurocientista, coordenador/professor da USP e responsável pela Universidade Internacional de Ciência do Espírito – Uniespírito, recebi esse vídeo e encontrei muitas respostas do que sentimos em nosso corpo físico, aqui ele fala sobre o ectoplasma, aquilo que venho sentindo e tentando compreender com meus estudos a partir do que sinto em meu corpo, com alguns dos sintomas físicos e fenômenos parapsiquicos.

Minhas suspeitas de que os empatas, P.A.S., esponjas por terem uma soltura energética maior, acumulamos mais ectoplasma, Dr. Sergio explica direitinho, além das doenças que assimilamos de outras pessoas.

Também já pude notar que quando estou trabalhando como voluntária no Grupo onde acontecem as cirurgias espirituais, eu tenho uma diurese muito grande, muito além do normal e isso também me chamou atenção.

Eu sempre acreditei que isso acontecia para que houvesse uma certa limpeza no meu organismo.

Com relação a maturidade feminina, Dr. Sergio comenta que quando estamos mais “maduros” mais magnetismos temos, quando a mulher entra na menopausa tudo fica mais intenso ainda, porque eliminávamos parte do ectoplasma através da menstruação e quando isso cessa, essa energia sobe, havendo uma “equidistribuição” dessa energia que não é eliminada.

Que alívio, não estou ficando maluca!!!

Percebam que aquilo que venho falando na doação de energia, auxilio ao outro é o que nos fará sentir enormes melhoras em nosso corpo físico, precisamos colocar nosso amor em ação.

Assistam o vídeo para compreender tudo isso.

Fonte: Rede Amigo Espirita

O verdadeiro amor liberta – Katia Di Giaimo

Quantas vezes nos deparamos com situações na vida, onde a saúde acaba ficando debilitada e temos que fazer escolhas, não que esteja em nossas mãos o poder da vida e da morte.

Escolhas que muitas vezes teremos que abrir mão da presença de algo tão precioso quanto um filho/a, um pai, uma mãe, uma marido/esposa, um amigo/a….

Como é difícil desapegar e libertar!!

Por egoísmo queremos prender quem amamos ao nosso lado, tentando preservar o corpo mesmo doente, acreditando que desta forma manteremos para sempre ao nosso lado. O corpo físico já não pode mais corresponder à uma condição digna de vida e mesmo assim, tentamos ganhar tempo, meses, dias, horas, minutos, segundos ao lado de quem está tentando se despedir.

Nossa energia, tenta prender ao máximo aqueles que amamos, neste momento tão difícil que é dizer adeus e libertar.

Já pude presenciar alguns fatos, onde pessoas em coma, aguardavam a presença de determinado parente para partir, depois que o parente tão querido fez a visita a pessoa desencarnou.

Quando a família relaxa “energeticamente”, porque houve uma pequena melhora…enquanto a família se afasta, irmãos abnegados de luz podem trabalhar no desligamento do corpo físico e espiritual.

São inúmeros relatos a este respeito, e neste desenho animado com muita clareza, (tirando esse ser obscuro que na animação poderia ter sido representado através de um parente próximo, avô ou avó), eles mostram um pouco da projeção astral e em seguida o desprendimento entre o corpo espiritual e o corpo físico.

Quando realmente amamos alguém, em qualquer situação a liberdade é a melhor escolha….

Lindo, emocionante…..

Fonte: The CGBros

 

Simulcognição – Katia Di Giaimo

Já ouviu falar em simulcognição?

Pois é, muitos de nós empatas sentimos isso que é presenciar um fato que está acontecendo  agora, de forma espiritual ou energética.

Lógico que existe paranormalidade na pessoa que apresenta a simulcognição, só que muitas confundem com a premonição, que é pressentir algo que vai acontecer.

“A Simulcognição é  o conhecimento da realidade presente”

Comigo já aconteceu e eu postei aqui através de uma projeção astral vi um cachorro sendo mordido por uma cobra (para ler esse post, volte algumas matérias, tem fotos do cachorro e da cobra),  eu estava tentando salvar o cachorro puxando a cobra pelo rabo.

Ou ainda sinto um aperto no peito, me dizendo que algo não está bem e em seguida vem a notícia, foram inúmeras vezes que isso aconteceu comigo.

Outras acontecem por telepatia, mães que sentem que seus filhos estão correndo risco no exato momento do perigo, ou entre maridos e esposas, e até mesmo entre amigos queridos.

Muitas pessoas relataram o impacto no momento da queda do avião dos jogadores de Chapecó, acordaram no meio da noite sentindo o medo, a tristeza, choque, horror e em seguida se depararam com a notícia.

Houve um fato que me chamou atenção, naquele mesmo acidente dos jogadores de Chapecó, ouvi uma reportagem no fantástico onde o filho de Rafael Henzel, dizia sentir o coração do pai bater e que tinha certeza que seu pai estava vivo, mesmo com um acidente tão grave e com tantos mortos.

O que ele teve foi uma simulcognição, ele manteve um contato mental/espiritual mesmo não tendo informações precisas, ele sentia o pulsar do coração paterno.

Telepatia simultânea entre o pai e o filho?

São inúmeros fatos de simulcognição que ocorrem entre pessoas queridas, um elo forte que as ligam pelas energias pulsantes do amor que nutrem uma pelas outras.

Quantas provas já temos de coisas “inexplicáveis” que acontecem?

Precisamos acreditar mais nos fenômenos que não vemos, mas que sentimos profundamente em nós.

Maturidade Espiritual

Um pouco do que penso sobre o que é a maturidade espiritual.

Meu momento atual.

O que é ter maturidade espiritual?

Já pensaram nisso?

Por: Sri Sri Ravi Shankar

1. Maturidade espiritual acontece quando você para de tentar mudar os outros e, ao invés disso, foca em mudar a si mesmo.

2. Maturidade espiritual acontece quando você aceita as pessoas como elas são.

3. Maturidade espiritual  acontece  quando você entende que todos estão certos em suas próprias perspectivas.

4. Maturidade espiritual acontece  quando você aprende a deixar ir.

5. Maturidade espiritual acontece  quando você consegue não ter expectativas em um relacionamento e doa sem receber nada em troca.

6. Maturidade espiritual acontece  quando você entende que o que quer que você faça, você faz pela sua própria paz interior.

7. Maturidade espiritual acontece  quando você para de provar ao mundo o quão inteligente você é.

8. Maturidade espiritual acontece  quando você não procura a aprovação dos outros.

9. Maturidade espiritual acontece  quando você para de se comparar com os outros.

10. Maturidade espiritual acontece  quando você está em paz com você mesmo.

11. Maturidade espiritual acontece  quando você é capaz de diferenciar necessidade e desejo e é capaz de se desapegar dos seus desejos.

E por último, mas mais significativo…

12. Você ganha maturidade espiritual quando você para de atribuir felicidade às coisas materiais!

Assistam o vídeo, lindíssimo!

Fonte: Roger Oliveira

Reuniões mediúnicas no lar fazer ou não fazer? Katia Di Giaimo

Reuniões mediúnicas no lar, fazer ou não fazer?

Uma coisa é a abertura do evangelho no lar, onde fazemos entre amigos e familiares apenas uma leitura de um trecho do evangelho, trocando impressões e informações, explanando sobre o que foi lido em voz alta sem mediunização, incorporação, essa é uma tarefa bem legal e importante.

Nesta situação, estamos abrindo um canal de explicação e entendimento nos dois planos, físico e espiritual.

Diferente de mediunizar e incorporar, receber pessoas na sua casa e dar uma abertura para a assistência espiritual a tantos necessitados no campo físico e no campo extra físico.

Sei que existe muita controvérsia a respeito de fazer reuniões no lar.

Existem pontos positivos e negativos e aí podem avaliar de acordo com a vida de cada um…

Tanto as reuniões espíritas no lar, como a Tenepes para quem é da conscienciologia…

Esta tarefa de auxílio é linda, mas o comprometimento com aquilo que se vai fazer é muito grande e importante…

Imagine que você uma vez por semana vai distribuir cestas básicas, ou um lanche, ou sopão para pessoas carentes….

Você toda semana se propõe a matar a fome de um povo extremamente carente, certo dia, você tem um imprevisto e não pode ir, a cobrança em cima de você será gigantesca….

O mesmo acontece quando você se propõe a ajudar, os carentes se aproximam, os amparadores e colaboradores virão na mesma proporção com a necessidade do povo a ser atendido…

Resta saber aqui, se você pode se “doar” e fazer disso um compromisso diário, semanal, mensal, porque se um dia faltar, a cobrança será muito grande.

Se um dia você parar de doar, a fila na sua porta continuará porque existe muito pouca gente doando, as pessoas “estão” egoístas, cada um pensando em si e olhando apenas o seu próprio umbigo.

O equilíbrio espiritual, emocional e mental de quem está doando energia (alimento) aos esfomeados deve ser proporcional…

“Quando entramos em um avião, a primeira explicação que nos dão é: Se faltar oxigênio, você deve primeiro colocar a máscara em você para depois auxiliar quem estiver do seu lado.”

Porque isso?

Porque se faltar oxigênio, você desfalecerá e não ajudará ninguém.

O mesmo acontece quando nos propomos a fazer uma tarefa assistencial, se não tivermos instrumentos para o auxilio, como conhecimento, instrução, equilíbrio emocional, força energética e maturidade o que acontecerá é o desequilíbrio e a tarefa assistencial poderá se tornar em um enorme fardo.

O que quero dizer com isso é que um médium ou uma pessoa empata, um ectoplasta tem uma energia de cura linda pelo tanto de ectoplasma que possui, e isso precisa ser doado, precisa entrar na tarefa de auxiliar pessoas que estão “atrasadas” nessa jornada da terra.

Pensemos que o “ectoplasma” (energia neutra) é uma característica que os ectoplastas possuem uma energia mais expandida, que adentra as pessoas e ambientes e em seguida trás para si todo o conteúdo que está lá.

O ectoplasta, precisa trabalhar com cura corrigindo e curando o que está doente, mas precisa existir um equilíbrio ainda maior…

Porque isso?

Veja o João de Deus…o estrago que fez e o débito que contraiu em sua vida espiritual…

A responsabilidade está no equilíbrio, autoconhecimento, estudos, estabilidade emocional…

A decisão de fazer reuniões mediúnicas ou não em casa é de cada um, mas se a decisão for a de realizar reuniões ou praticar a tenepes, faça com consciência e a responsabilidade e maturidade tão necessárias.

Eu nunca me senti madura para a tenepes.

A tenepes é a tarefa energética pessoal, diária, de doação de energias a consciências intra e extrafísicas, realizada de modo anônimo pelo praticante da técnica, em conjunto com amparador extrafísico. Esta é uma técnica baseada na ciência Conscienciologia.

Às vezes penso, será que todo o trabalho que faço no YouTube, no site, na página Pessoas Empatas e no grupo já não é uma tarefa de assistência e esclarecimento?

Minha alma não pede que eu trabalhe com incorporações mais, a cura prânica me ensinou que posso movimentar e curar a energia das pessoas…através de técnicas…

Meu espírito também me pede mais, curar uma pessoa apenas é pouco para minha alma, minha tarefa existencial é maior e cada um precisa compreender o que veio fazer aqui no mundo e entender qual é a sua tarefa pessoal…

Que possamos avaliar com clareza nosso propósito de vida, porque ser assistencial é tarefa divina e de todos nós, mas precisamos estar maduros para compreender o que tudo isso implica em nossa vida e dar o melhor de nós sempre.

Abaixo uma mensagem que recebi e acho que tem tudo a ver, reforma íntima.


Queridos Tarefeiros do Bem,

recado de nosso amigo Julio Cesar Roriz recolhido em um site de Mensagens Espíritas para nossa reflexão.

“O QUE ACONTECE QUANDO VOCÊ COMEÇA A FREQUENTAR UM CENTRO ESPÍRITA?

Quando você entra em um Centro Espírita, você não se torna médium. A não ser que você já tenha nascido com o corpo físico preparado para isso, você não começa a ver ou a ouvir os Espíritos.

Quando você entra em um Centro Espírita, não existe nenhuma espécie de recado dos Espíritos Superiores direcionado exclusivamente a você. Tampouco seus familiares desencarnados te enviarão cartas dizendo o que você deve ou não fazer da vida.

Quando você entra em um Centro em Espírita, as pessoas não vão te contar quem você foi ou fez em suas vidas passadas. Se essas informações fossem necessárias você se lembraria por conta própria. Basta saber que você colhe hoje aquilo que plantou em outras existências até para que você passe a semear com mais sabedoria e amor no seu dia de hoje.

Quando você entra em um Centro Espírita, você não recebe a solução mágica para resolver seus problemas. Suas dores continuarão a existir. Suas perdas, suas mágoas, suas dificuldades de relacionamento ou o que quer que você enfrente na vida.

Quando você entra em um Centro Espírita, você definitivamente não está salvo. Seu lugar no céu jamais poderá ser comprado até porque a ideia de céu do Espiritismo nada tem a ver com anjos tocando harpa nas nuvens e sim com a consciência tranquila do dever cumprido.

A verdade, que poucos compreendem ou querem compreender, é que quando você começa a frequentar um Centro Espírita absolutamente nada muda em sua vida.

Acredite. Nada mesmo.

A não ser que você tome a decisão de mudar, que você compreenda que precisa realizar melhorias em si mesmo, que aceite o convite da reforma íntima e moral, tudo continuará da mesma forma que já estava.

Ninguém pode viver nossa vida ou dar por nós os passos que nos cabem. Compete a cada um de nós a construção da nossa própria felicidade. Essa noção de responsabilidade individual, tão pouco considerada nos dias atuais, é, com certeza, uma das primeiras lições, entre tantas outras, que você aprenderá quando de fato entrar em um Centro Espírita.” Autor desconhecido.

Empatas – Relacionamentos Tóxicos

Uma toxina, num contexto científico, é uma substância de origem biológica que provoca danos à saúde de um ser vivo ao entrar em contacto ou através de absorção, tipicamente por interação com macromoléculas biológicas, tais como enzimas e receptor.

Fonte: Wikipédia

O que é um relacionamento tóxico e como ele pode chegar até nós?

Vamos lá, vou tentar explicar aqui com minhas palavras e com aquilo que já pude presenciar na minha existência de vida.

Os relacionamentos tóxicos podem vir de onde menos imaginamos, temos uma visão social de que pais, mães são seres divinos, enviados por Deus como anjos a nos proteger, mas nem sempre é assim, essas toxinas podem e acontecem em sua grande maioria dentro das nossas casas de:

– Pais para filhos;

– Filhos para pais;

– Entre casais, amor romântico entre duas pessoas ou mais, heterossexuais, homossexuais…e por ai vai…

– Amigos;

– Irmãos;

– Tios;

– Colegas de trabalho;

– Patrões para os empregados;

– Empregados para patrões

Existe uma infinidade de relacionamentos tóxicos, cabe a nós identificar dentro da nossa vida, dos nossos relacionamentos, se estamos vivendo algo assim…

Qualquer relacionamento precisa ser “SADIO”, “SAUDÁVEL”, precisa ser uma via de mão dupla, existir troca, se não é desta forma, um sinal acende, primeiro esse farol fica piscando na cor amarela, como um alerta de que algo não está bem, PARE E DÊ ATENÇÃO AO AMARELO, o problema está quando o vermelho começa a piscar e continuamos achando que o sinal está verde…

Nestes relacionamentos abusivos e tóxicos pude ver muita coisa:

  • Já vi mãe que escolheu entre a filha pequena e o padrasto que abusou desta mesma criança, escolher o macho alpha e deixar a sua filha ser entregue para um abrigo;
  •  Vi uma criança que foi espancada pela mãe, com marcas nas costas e muita dor emocional, chorar a falta que essa mesma mãe abusiva faria ao ser abrigada (era o que ela tinha de referência de amor)
  • Já vi uma bebê prematura morrer a mingua, pelo abandono de incapaz, em seus poucos dias de vida.
  • vi muitos amores se desfazerem por luxurias, sexo, egos, traições…
  • vi colegas de trabalho, minando a imagem do outro para tomar seu lugar.
  • Vi patrões abusarem de seus funcionários;
  • Vi irmãos se comportando igual duas crianças que disputam um carrinho, por competição de atenção e carinho.
  • Vi filhos que não estão nem aí para pais idosos..
  • Pais que não estão nem aí para seus filhos.
  • vi médicos abusarem dos seus pacientes, inertes e anestesiados…
  • Vi pacientes usarem de sacanagem para denegrir nome de médicos também…

Há uma infinidade de tipos de “relações tóxicas” o que cabe a nós, é percebê-las e fazer algo para que possamos sobreviver ao que estes relacionamentos causam, precisa fazer algo para elas cessarem.

Quando continuamos “tentando”, mas não sentimos mais a sintonia que faz o amor ser sublime…..

Algo se arrasta e aquela fluência dos primeiros tempos  não acontece…ou ela nunca existiu e só você não percebeu….

Relacionamentos tóxicos vão minando nossos centros de força, tirando o nosso foco da realidade, manipulando, criticando, fazendo com que nossa visão fique turva e já não consigamos identificar o certo do errado.

Eles sempre são abusivos, sempre há perda energética neste tipo de relação, onde uma parte perde e a outra suga feito mariposa em torno da luz.

Alguns relacionamentos são verdadeiras prisões afetivas, onde ao invés de criar um espaço amoroso onde ambos se identificam, realizam e criam juntos numa relação saudável, acabam por se torturarem e machucarem.

Algumas pessoas vivem em verdadeiros cativeiros emocionais, nem sempre essa relação é percebida, acabam vivendo de pequenas migalhas afetivas….

Como a Síndrome de Estocolmo, é o nome normalmente dado a um estado psicológico particular em que uma pessoa, submetida a um tempo prolongado de intimidação, passa a ter simpatia e até mesmo amor ou amizade perante o seu agressor.

Existe uma distorção, o opressor nesta relação abusiva conduz o relacionamento como a estender o sofrimento da pessoa que está no cativeiro emocional e ela parece se alimentar neste jogo de manipulação que faz.

Como criar defesas contra tantos abusos absurdos?

– Ser dono de si mesmo.

– manter uma distância saudável, delimitando espaços até que você possa entender o que está acontecendo na relação.

– Não ficar ouvindo o zum zum zum da sociedade, família, amigos, silencia a voz externa para que você possa ouvir a sua alma, o que ela quer e precisa, faça meditação para acalmar a sua mente.

– Ouvir sempre o que o seu coração diz, ele é a sua voz interna que te direciona ao que precisa fazer.

– Não se vitimizar, olhar para tudo que aconteceu na sua vida e ser grato/a porque o que vivenciou ou experimentou te fez crescer como pessoa e espírito, te fez andar para a frente e ser hoje quem você é.

– Olhe para você, você é um ser de luz, que tem sonhos, gosta de coisas, tem projetos de vida e que  nunca pôde executá-los por conta de filhos, estudos, trabalho, marido, mulher, pais….chegou a hora de você realizar o que a sua alma quer, o que a sua alma veio fazer aqui, qual o recado que ela tem e quer dar ao mundo?

Já pensou nisso?

Deixo aqui o convite para ouvir o audiobook do Pe. Fabio de Melo: “Quem me roubou de mim”, link abaixo.

Ouvir o bate papo que tivemos na Rádio Remix Exotera, Marcia Orte Abade, Sonia Regina, e eu Katia Di Giaimo, falando do tema Relações Tóxicas e muito mais.

Quem me roubou de mim